04 novembro 2009

Revista piauí: a salvação do jornalismo

João Moreira Salles

Simplicidade. Uma palavra que descreve João Moreira Salles e sua palestra, realizada ontem no Teatro Ney Soares, do Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH). Prevista para ter início às 19h00, um atraso intencional, para dar tempo de alunos chegarem, fez com que começasse as 19h30, um atraso que valeu a pena.Irmão mais novo do cineasta Walter Salles, João Moreira Salles, além de produzir documentários, é o publisher da Revista piauí, revista que quebra conceitos e padrões do Jornalismo.Uma das coisas mais importantes da revista piauí, é fazer coisas simplórias ficarem interessantes. A prática, que Salles também utiliza em seus documentários, é a forma em que os fatos são contados.


Capa da revista piauí

A revista piauí

A revista piaui (com "p" minúsculo mesmo) não possui uma característica que é presente na maioria dos jornais e revistas: editorias fixas. Com exceção de uma ou duas, fala-se de qualquer coisa, desde que seja interessante, portanto, há uma certa liberdade em relação a pautas e deadlines. Não há reunião de pauta e, tudo que é publicado na revista, é sugerido pelos próprios jornalistas. Se for interessante, ele tem autonomia para criar a reportagem, que não tem número exato de laudas e nem um prazo pré-estabelecido para sua publicação.

Jornalismo literário

Apesar de muitos garantirem que a revista piauí tem como foco o jornalismo literário, que pode ser também conhecido como jornalismo narrativo, o palestrante afirma que a publicação não tem exclusivamente esse foco, embora algumas reportagens tenham características desse tipo. Segundo Salles, essa prática no jornalismo é muito difícil, pois não há muitos veículos de comunicação no Brasil que o seguem. Esse tipo de prática, que tem origem americana, requer bastante apuração, o que não se pode ser feita através de internet ou telefone, pois é importante ver com os próprios olhos para assim descrever. Hoje, a dificuldade com gastos para apuração contribuem para que o jornalismo literário não seja exercido em revistas e jornais

Métodos de entrevista

Salles, afirma que o melhor tipo de entrevista é a que não é planejada, ou seja, aquela em que você não chega ao entrevistado com as perguntas já prontas mas, a pesquisa sobre ele, é fundamental. Segundo o jornalista, é dispensável o uso de gravador, uma vez que ele altera o comportamento do entrevistado que, ao saber que está sendo gravado, fica intimidado e passa a medir o conteúdo de suas frases. A entrevista tem que ser natural, mais como uma conversa. Salles até brinca que, a maioria das vezes em que um jornalista chega para entrevistá-lo com perguntas feitas na redação, a partir da terceira pergunta, ele começa a responder algo que não bate com a pergunta. Mesmo assim, quem o entrevista balança a cabeça, dando a entender que está prestando a atenção em suas palavras. Linguagem corporal é muito importante nessas horas, segundo Salles. A entrevista deve sempre ser feita olhando nos olhos do entrevistado, observando seus movimentos, transpiração, respiração, por isso deve-se evitar entrevistas pela internet ou telefone.

Documentários

Quando não está na redação da revista piauí, o jornalista produz documentários. Entre eles, está o "Entreatos", de 2002, em que é registrado vários momentos da campanha presidencial de Luíz Inácio Lula da Silva, então eleito nesse ano para Presidente Da República e reeleito em 2006, e o "Notícias de Uma Guerra Particular", de 1999. Esse documentário é sobre a guerra da polícia com o tráfico de no Rio de Janeiro, que conta com a direção de Kátia Lund.



Documentário "Entreatos"



Redação da revista piauí

Pelo fato de não haver aquela pressão constante em relação laudas, deadlines e pautas, Salles afirma que o ambiente na redação da revista é muito bom, inclusive, vários de seus jornalistas já receberam propostas de outros jornais, que a piauí não pôde cobrir, mas mesmo assim não perdeu nenhum. A exposição para esses jornalistas da revista também é maior.

Em meio a tanta polêmica referente a profissão de jornalista, tanto na questão do diploma, ou nas condições de trabalho, a revista piauí é uma boa solução pra quem quer fugir desses problemas. Textos inteligentes e detalhados, garantem o bom jornalismo.

4 comentários:

Luciana disse...

Parabéns pelo trabalho! O blog está ótimo. :)

Ana Luiza. disse...

Ficou ótimo o texto!
eu não assisti a palestra. não consegui chegar na faculdade =/
Mas senti que foi excelente, né?
Beijão!!

Gibran Rubinger disse...

comprarei uma pra ver doque se trata

Carolyny disse...

Já ouvi falar muito dessa revista, mas agora realmente fiquei curiosa, vou comprar uma pra ler :)